•catarata•

O que é catarata?

O termo "Catarata" refere-se à perda da transparência do cristalino (lentes naturais do olho) como parte normal do processo de envelhecimento. Na maioria dos casos, a catarata se desenvolve lentamente ao longo de vários anos. No entanto, condições como diabetes, uso de medicamentos que contenham corticóides e trauma podem causar o desenvolvimento precoce de sintomas de catarata.

Quais são os sintomas da catarata?

Visão turva é o sintoma de catarata mais freqüentemente observado. Muitos pacientes notam pela primeira vez visão embaçada durante atividades como ler e dirigir, principalmente à noite. Também é comum que pacientes com catarata experimentem uma névoa generalizada e dificuldade na percepção da cor. Halos e brilho ao redor de luzes como faróis ou postes também são muito comuns.

 

Nossos médicos estarão empenhados em lhe orientar sobre quando a cirurgia de catarata é necessária. Geralmente, você deve considerar a cirurgia quando sua catarata tiver progredido o suficiente para prejudicar sua visão e afetar sua vida diária. Muitas pessoas consideram a visão deficiente um fato inevitável do envelhecimento, mas a cirurgia de catarata é um procedimento simples e indolor para recuperar a visão, e a recuperação da cirurgia de catarata é um processo relativamente simples.

O que está envolvido na cirurgia ocular de catarata?

A cirurgia de catarata é muito bem-sucedida na restauração da visão. De fato, é a cirurgia mais frequentemente realizada nos Estados Unidos, com mais de 3 milhões de americanos sendo submetidos a cirurgia de catarata a cada ano. Nove em cada dez pessoas que fazem cirurgia de catarata recuperam uma visão muito boa, algo entre 20/20 e 20/40. Quanto aos custos da cirurgia de catarata, eles variam de acordo com o procedimento.

 

A cirurgia de catarata geralmente é feita com anestesia local e uma leve sedação (exceto em alguns casos específicos). O regime é de internamento de curta permanência. Durante a cirurgia, seu médico removerá o cristalino opacificado através de uma microincisão (inferior a 3 milímetros) e o substituirá por uma lente intra-ocular (LIO). Quando a operação terminar, o cirurgião geralmente colocará um escudo protetor sobre o olho. Após uma curta estadia na área de recuperação, você estará pronto para voltar para casa. Você receberá instruções pós-operatórias antes da sua partida. É sempre recomendável que vá acompanhado de outra pessoa que o levará de volta para casa após o procedimento.

Selecionando seu implante de lente intra-ocular (LIO)

As mais atuais tecnologias para implantes de lentes intra-oculares estão disponíveis para nossos pacientes com catarata, oferecendo o melhor resultado visual possível. A Clínica OCULARE usa a tecnologia mais recente para a avaliação de cada paciente (a exemplo da biometria por interferometria a laser), a fim de fornecer os dados mais precisos possíveis e ajudar a determinar o melhor implante para suas necessidades, estilo de vida e personalidade.

Tipos de implantes de lentes intra-oculares

Quando você faz uma cirurgia de catarata, recebe um implante de lente intra-ocular (LIO) no momento da sua operação. Existem vários tipos diferentes de lentes intra-oculares disponíveis, desde o implante básico de lente Monofocal rígida (coberto pela maioria dos planos de saúde) até os mais sofisticados implantes de lente de Tecnologia Avançada para correção de aberrações de alta ordem, de astigmatismo e os implantes de lente Multifocal/Trifocal.

Implante de lente monofocal

Um implante de lente monofocal objetiva oferecer uma boa visão à distância. Geralmente, os óculos são necessários para a visão intermediária e de perto após a cirurgia de catarata.

Implante de lente tórica para correção do astigmatismo

O astigmatismo é uma condição comum que pode tornar sua visão distorcida. Se você foi diagnosticado com astigmatismo, o implante de lente tórica torna possível tratar a catarata e corrigir o astigmatismo ao mesmo tempo. Geralmente, os óculos são necessários para a visão intermediária e de perto após a cirurgia de catarata.

Lentes para correção da Presbiopia - Multifocais / Trifocais

A presbiopia é uma condição que a maioria das pessoas com mais de 40 anos de idade experimenta, o que resulta em dificuldade de visualização de perto, sem o auxílio de óculos bifocais, trifocais ou de leitura. Tecnologia avançada Os implantes de lentes intra-oculares, também chamados de LIOs multifocais ou acomodativas, são projetados para fornecer uma gama completa de visão, oferecendo a possibilidade de ver bem a mais de uma distância (longe, intermediário e perto) e com menos dependência ou até independência de óculos após a cirurgia de catarata.

 

Cada uma dessas lentes usa um design diferente para ajudá-lo a atingir seu objetivo de visão clara e cada uma possui vantagens e desvantagens. Qual é o melhor para você depende das características únicas do seu olho e das suas necessidades de estilo de vida. Nossos médicos fazem uma avaliação completa dos seus olhos e discutem suas necessidades de estilo de vida e visão para determinar qual lente é mais vantajosa para você.

•GLAUCOMA•

O que é um glaucoma?

O glaucoma é uma das principais causas de cegueira nos Estados Unidos, especialmente entre os idosos. A perda de visão do glaucoma é frequentemente evitável se você receber tratamento cedo o suficiente. O glaucoma é uma doença do nervo óptico. O nervo óptico transporta as imagens que vemos para o cérebro. Muitas pessoas sabem que o glaucoma tem algo a ver com a pressão dentro do olho. Quanto maior a pressão dentro do olho, maior a chance de danos ao nervo óptico.

 

O nervo óptico é constituído por um grande número de fibras nervosas, como um cabo elétrico contendo um grande número de fios. O glaucoma pode danificar as fibras nervosas, causando o desenvolvimento de pontos cegos. Geralmente, as pessoas não percebem essas áreas cegas até que uma lesão grande ao nervo óptico já tenha ocorrido. Se todo o nervo for destruído, ocorrerá cegueira. A detecção e o tratamento precoces por um oftalmologista qualificado são importantíssimos para evitar danos no nervo óptico e cegueira por glaucoma.

O que causa o glaucoma?

O humor aquoso é o líquido que circula dentro do olho. Uma pequena quantidade desse líquido é produzida constantemente e uma quantidade igual sai do olho através de um sistema de drenagem microscópico. (Este líquido não faz parte das lágrimas na superfície externa do olho.) Você pode pensar no fluxo de fluido como uma pia com a torneira aberta o tempo todo. Se o "cano de escoamento" entupir, a água se acumula na pia e ela pode transbordar. Como o olho é uma estrutura fechada, o excesso de fluido não pode transbordar se o dreno estiver entupido. Se a área de drenagem do olho estiver bloqueada, a pressão do fluido no interior do olho poderá aumentar, o que pode danificar o nervo óptico.

Quem está em risco de glaucoma?

A alta pressão sozinha não significa que você tem glaucoma. Um oftalmologista qualificado reúne vários tipos de informações para determinar seu risco de desenvolver a doença.

Os fatores de risco mais importantes incluem:

  • Idade

  • Ascendência africana

  • História familiar de glaucoma

  • Lesões passadas nos olhos

Um médico especialista avaliará todos esses fatores antes de decidir se você precisa de tratamento para glaucoma ou se deve ser monitorado de perto como suspeito de glaucoma. Se você é rotulado como suspeito de glaucoma, isso significa que seu risco de desenvolver glaucoma é maior que o normal.

Exames oftalmológicos regulares pelo seu oftalmologista são a melhor maneira de detectar glaucoma. Durante um exame oftalmológico completo e indolor para glaucoma, um médico especialista irá:

  •  Medir sua pressão intra-ocular (tonometria) correlacionando-a a espessura coreana (taquimetria coreana);

  •  Avaliar qualquer dano ao nervo óptico (fundoscopia/retinografia/campimetria computadorizada/OCT - tomografia de coerência óptica).

Opções de tratamento para glaucoma

Colírios

Se você for diagnosticado com glaucoma, colírios podem ser prescritos para controlar a pressão no seu olho. O colírio baixa a pressão ocular, diminuindo a quantidade de líquido (humor aquoso) produzido dentro do olho ou melhorando o fluxo através do ângulo de drenagem.

Os medicamentos para glaucoma podem preservar sua visão, mas também podem produzir efeitos colaterais. Você deve notificar o seu oftalmologista se achar que pode ter efeitos colaterais.

Alguns colírios podem causar:

  • Uma sensação de ardência ou coceira;

  • Olhos vermelhos ou vermelhidão da pele ao redor dos olhos;

  • Alterações no pulso e batimentos cardíacos;

  • Mudanças na respiração;

  • Boca seca;

  • Mudanças no paladar;

  • Dores de cabeça;

  • Visão embaçada;

  •  Mudança na cor dos olhos.

Em alguns casos, os colírios não são suficientes para tratar o glaucoma. Para mais informações, pergunte ao seu médico sobre mais opções de tratamento relacionadas ao glaucoma.

Fonte: Academia Americana de Oftalmologia

•Iridotomia•

Se você tiver glaucoma de ângulo fechado, seu médico poderá realizar iridotomia a laser para restaurar o fluxo normal de fluido e a pressão ocular. Esse laser cria um buraco microscópico na íris para melhorar o fluxo do humor aquoso e geralmente é feito na parte superior da íris para evitar cicatrizes visíveis. Você pode retornar às suas atividades normais após o procedimento. Para informações adicionais, pergunte ao seu médico sobre o procedimento de iridotomia a laser.

 

Fonte: Academia Americana de Oftalmologia

Trabeculoplastia a laser de argônio

O tipo mais comum de procedimento a laser realizada para glaucoma de ângulo aberto é chamado de Trabeculoplastia a laser de argônio (A.L.T). A.L.T. é frequentemente recomendada quando os colírios não conseguem controlar a pressão e a progressão do glaucoma.

 

Na A.L.T., um laser de argônio faz pequenas queimaduras uniformemente espaçadas na malha trabecular, a fina área de drenagem do olho, semelhante a uma esponja. O procedimento é realizado em nível ambulatorial e geralmente pode ser concluído em 15 a 20 minutos. Os pacientes podem precisar continuar a tomar alguns medicamentos para glaucoma após o tratamento com A.L.T. Geralmente há pouca ou nenhuma dor associada ao procedimento a laser e poucas complicações. Para mais informações, pergunte ao seu médico sobre o A.L.T. procedimento.

Fonte: Academia Americana de Oftalmologia

Trabeculoplastia a laser seletiva

Uma nova opção cirúrgica a laser para tratamento de glaucoma de ângulo aberto é chamada trabeculoplastia seletiva a laser ou S.L.T. No procedimento da S.L.T., seu médico direciona um feixe de laser de baixa frequência para a rede trabecular, que é a região de drenagem primária do olho. Com a S.L.T., o laser trata seletivamente células específicas, deixando intactas partes não tratadas da rede trabecular. O procedimento aumenta a drenagem de líquido para fora do olho, resultando em menor pressão ocular. Após o procedimento, o paciente normalmente é tratado com colírios anti-inflamatórios por alguns dias e a maioria retoma as atividades normais em alguns dias. Para mais informações, pergunte ao seu médico sobre o S.L.T.

Fonte: Academia Americana de Oftalmologia

Doença ocular diabética

O que é retinopatia diabética?

Se você tem diabetes, corre o risco de desenvolver retinopatia diabética, complicação que pode levar à perda irreversível da visão. Trata-se de uma complicação grave que se não diagnosticada e tratada a tempo, pode provocar a perda da visão. Como a doença atinge os dois olhos, existe o risco de cegueira bilateral.Diabetes causa enfraquecimento dos pequenos e delicados vasos sanguíneos da retina. Com esses enfraquecimento, ocorrem vazamentos (hemorragias) ou fechamentos dos capilares (pequenos vasos sanguíneos) ou crescimento de novos capilares fracos (neovasos). Existem dois tipos principais de retinopatia diabética: retinopatia não proliferativa (os vasos sanguíneos vazam e depois fecham) e retinopatia proliferativa (novos vasos sanguíneos frágeis crescem ou proliferam). Nos casos avançados, as hemorragias podem comprometer a retina e se estender para dentro da cavidade posterior do olho (o vítreo). Com o progresso da doença, a retina pode sofrer danos permanentes e irreversíveis, com consequente diminuição da visão.  

A prevenção dos problemas oculares deve ser feita através do controle rigoroso do diabetes. Para tanto, é necessário acompanhamento médico permanente, com controle adequado da taxa de açúcar e acompanhamento oftalmológico periódico. Após 5 anos de doença, toda pessoa portadora de Diabetes deve se submeter a um exame oftalmológico preventivo, mesmo que não manifeste ou perceba qualquer alteração da visão. Outros fatores que tornam a doença mais grave são a hipertensão arterial e a gravidez. Nestas situações, o exame oftalmológico deve ser realizado o mais cedo possível. 

O exame da retina nestes casos deve ser feito com a pupila dilatada utilizando-se o oftalmoscópio binocular indireto que permite a visualização das áreas mais periféricas. Como exame complementar utiliza-se a Angiografia Fluoresceínica (exame no qual são obtidas fotos do fundo de olho após a injeção de um contraste em uma veia do braço) e o OCT - tomografia de coerência óptica da mácula. 

O tratamento das lesões retinianas causadas pela doença está indicado quando há progressão da Retinopatia Diabética, com risco de comprometimento da visão central.  Nos casos indicados, o tratamento consiste no uso de laser. Os medicamentos com atividade anti-angiogênica têm sido usados como parte do tratamento, com resultados animadores.
Nos casos mais graves, os recursos de tratamento incluem as cirurgias do vítreo e retina.

Como a visão é afetada pela retinopatia diabética?

A retinopatia diabética pode se desenvolver rapidamente e sem sinais de alerta imediatos; portanto, é importante consultar o seu oftalmologista regularmente. Se você tiver visão turva ou embaçada, ou listras pretas, entre em contato com o seu oftalmologista para fazer um exame. Ao consultar o seu oftalmologista uma vez por ano ou mais, a retinopatia diabética pode ser diagnosticada e tratada precocemente, antes que sua visão seja danificada. Controlar o açúcar no sangue (glicemia) e a pressão arterial, comer de forma saudável e se exercitar regularmente também podem retardar o desenvolvimento da retinopatia diabética.

 

Nos estágios iniciais de ambos os tipos de retinopatia diabética, você pode ter pouca ou nenhuma perda de visão. À medida que o tipo não proliferativo se desenvolve, você pode experimentar perda de visão moderada a grave à medida que ocorrem depósitos de líquidos e inchaço (edema). Com o tipo proliferativo, novos vasos sanguíneos anormais podem crescer ao longo da superfície da retina e posteriormente para o vítreo (gelatina dentro do olho). Se esses vasos sanguíneos se romperem e sangrarem, eles podem nublar ou embaçar a visão, causando cicatrizes e descolamento de retina, o que pode levar a uma diminuição adicional da visão ou a uma perda total e irreversível da visão.

Tratamento

Após o diagnóstico da retinopatia diabética, seu oftalmologista pode recomendar o tratamento a laser. Um raio laser, focado nas áreas afetadas da retina, pode ser usado para reduzir o inchaço, destruir vasos sanguíneos fechados ou selar vasos fracos.

A inoculação intra-vítrea de medicamentos com atividade anti-angiogênica têm sido usados como parte do tratamento, com resultados muito animadores.

Se a retina já tiver danos extensos causados por retinopatia diabética proliferativa, seu médico poderá aconselhar uma vitrectomia. A remoção cirúrgica do vítreo (líquido dentro do olho) pode ser necessária para remover o sangue do olho interno e cortar o tecido cicatricial que pode estar puxando a retina. A vitrectomia pode ser necessária quando o diabetes afeta gravemente a visão.

O seu oftalmologista pode fornecer informações mais detalhadas sobre o melhor tratamento para o seu diagnóstico e explicar os benefícios e riscos de cada procedimento.

Importante ressaltar que nenhum dos tratamentos acima será efetivo se o paciente não fizer um controle rigoroso da glicemia.

O que é degeneração macular?

A mácula é uma pequena área na parte posterior do olho responsável pela visão de detalhes. Quando existe um comprometimento da mácula, sentimos embaçamento ou escuridão no centro da nossa visão. A degeneração macular afeta a visão de longe e de perto e pode tornar algumas atividades (como enfiar uma agulha ou ler) difíceis ou impossíveis.

Embora a degeneração macular reduza a visão na parte central da retina, ela não afeta a visão periférica. Por exemplo, você pode ver o contorno de um relógio, mas não sabe dizer que horas são. A degeneração macular sozinha dificilmente resulta em cegueira total.

O que causa degeneração macular?

Muitos idosos desenvolvem degeneração macular como parte do processo natural de envelhecimento do corpo. Os dois tipos mais comuns de DMRI são:  DMRI “seca” (atrófica) e DMRI “úmida” (exsudativa).

Degeneração macular "seca": a maioria das pessoas tem degeneração macular seca. É causada pelo envelhecimento e pelo afinamento dos tecidos da mácula. A perda de visão é geralmente gradual.

 

Degeneração macular úmida: a degeneração macular úmida é responsável por cerca de 10% de todos os casos. Isso resulta quando vasos sanguíneos anormais se formam na parte de trás do olho. Esses novos vasos sanguíneos vazam fluido ou sangue e desfocam a visão central. A perda de visão pode ser rápida e grave.

Quais são os sintomas da degeneração macular?

A degeneração macular pode causar sintomas diferentes em pessoas diferentes. A condição pode ser quase imperceptível nos estágios iniciais. Às vezes, apenas um olho perde a visão, enquanto o outro continua vendo bem por muitos anos. Quando os dois olhos são afetados, a perda da visão central pode ser percebida mais rapidamente.

A seguir, são apresentadas algumas maneiras comuns de detectar a perda de visão:

  • As palavras em uma página parecem borradas;

  • Uma área escura ou vazia aparece no centro da visão;

  • As linhas retas parecem distorcidas.

Como é diagnosticada a degeneração macular?

Muitas pessoas não percebem que têm um problema macular até que a visão embaçada se torne óbvia. O seu oftalmologista pode detectar estágios iniciais da degeneração macular durante um exame oftalmológico que inclui o seguinte:

  • Visualizando a mácula com um oftalmoscópio;

  • Um teste de visão simples em que você olha para uma grade semelhante a papel milimetrado;

  • Às vezes, são tiradas fotografias especiais chamadas angiogramas para encontrar vasos sanguíneos anormais sob a retina. O corante fluorescente é injetado no braço e o olho é fotografado à medida que o corante passa pelos vasos sanguíneos na parte posterior do olho.

Opções de tratamento

Uma vez formados vasos sanguíneos anormais, vários tratamentos estão disponíveis. No entanto, os pacientes se saem melhor se tratarmos os vasos nos estágios iniciais da doença. É por isso que as pessoas com degeneração macular são solicitadas a verificar sua visão central fazendo testes de grade de Amsler separadamente em cada olho todos os dias.

 

O primeiro tratamento comprovado envolve a queima dos vasos sanguíneos anormais com um laser convencional. No entanto, causa uma mancha escura permanente e os vasos sanguíneos muitas vezes voltam mesmo após o tratamento bem-sucedido. No entanto, esse tratamento ainda é usado quando podemos definir facilmente os vasos sanguíneos e eles estão a uma certa distância do centro.

Um tratamento mais recente para pacientes com degeneração macular úmida e vasos sanguíneos anormais bem definidos envolve a injeção intraocular de um medicamento com ação antiangiogênica (Lucentis e EYLIA).

Síndrome do olho seco

O que é a síndrome do olho seco?

Normalmente uma capa de lágrima envolve o olho. Ao produzir lágrimas a uma taxa lenta e constante, o olho fica úmido e confortável. Às vezes, as pessoas não produzem lágrimas suficientes para manter os olhos saudáveis e confortáveis. Essa condição é conhecida como olho seco.

Quais são os sintomas do olho seco?

Os sintomas usuais incluem:

  • Ardência; 

  • Coceira;

  • Secreção pegajosa;

  • Irritação excessiva dos olhos quando exposto à fumaça ou vento;

  • Excesso de lacrimejamento;

  • Desconforto ao usar lentes de contato.

O que causa o olho seco?

Uma ampla variedade de causas inclui:

  • Menopausa;

  • Medicamentos como diuréticos para pressão alta, bloqueadores beta para coração ou pressão alta; anti-histamínicos para alergias, pílulas para dormir e analgésicos.

Como o olho seco é diagnosticado?

Um oftalmologista geralmente é capaz de diagnosticar o olho seco examinando os olhos ou realizando testes que medem a produção de lágrimas.

Como é tratado o olho seco?

Adicionando lágrimas. Os colírios chamados lágrimas artificiais são semelhantes às suas próprias lágrimas. Eles lubrificam os olhos e ajudam a manter a umidade. 

Conservando suas lágrimas

Conservar as lágrimas dos seus olhos é outra maneira de manter os olhos úmidos. As lágrimas escorrem do olho através de um pequeno canal para o nariz. O seu oftalmologista pode fechar esses canais temporária ou permanentemente. O fechamento conserva suas próprias lágrimas e faz com que as lágrimas artificiais durem mais.

Degeneração macular - DMRI